Seguindo o baile

Já diria Lady Gaga (inclusive em uma das minhas músicas favoritas): It’s been a long time since I came around…

ladygaga

Acabou o BEDA e acabou o blog. Mentira. Não era a intenção, mas foi o que aconteceu.

Eu voltei de férias em setembro e voltei mergulhada de cabeça no trabalho. Gosto muito de trabalhar e isso tem consumido um bocado de tempo da minha vida, por isso o blog ficou abandonado. Precisamos melhorar nisso e não deixar vocês sem conteúdo por tanto tempo, ma bad.

Algumas coisas mudaram por aqui. Algumas coisas que não faziam sentido ficaram para trás, alguns ciclos se encerraram. Tenho vivido dias by my own e com eles tenho aprendido cada vez mais a curtir minha própria companhia: saio para comer algo, para tomar um café, para dar uma volta no shopping, para resolver alguma pendência de casa, para correr no parque, enfim… aquele famoso “seguindo o baile”.

Amadurecer é complicado, mas gratificante ao mesmo tempo.

Eu gosto dessa coisa de envelhecer, sabe? Sou zero apegada à aparência mais nova, tenho 27 anos e gosto de falar que tenho quase 28 (tá chegando, meu aniver é em fevereiro, oras) e cada vez mais estou próxima dos 30. Com muito orgulho. Deus me dibre vibes Adaline – inclusive, recomendo este filme.

adaline

Quando passei por essa situação quando era mais nova e parecia que era o fim da minha existência terrena. E nem foi. E nunca será. A vida sempre continua belíssima, com milhões de oportunidades, com novos ciclos que nos esperam.

Às vezes a gente se desespera um pouco, sofre um bocado, mas no final a gente também aprende que tudo tem seu tempo.

Não sei se esse post fez sentido pra alguém, só sei que eu precisava escrevê-lo.

Prometo voltar antes do próximo cometa Harley passar, tá?

 

Me encontre aqui também:

Facebook | Instagram 

 

Facebook Comments

Mais que férias, vacations

O BEDA passou e foi sucesso e desde então não dei as caras por aqui, ces me perdoam. Chegou setembro, eu estava de férias e offline de praticamente tudo. Estou de volta.

De volta e falando das férias, pois sdds.

Eu nunca tinha tirado férias da forma como foram essas. Eu tirava férias no estágio, uns 15 dias, geralmente nos períodos de férias escolares e estava ótimo. Dessa vez eu tirei férias em agosto/setembro, tipo no meio do furacão rolando, as pessoas trabalham arduamente em agosto/setembro, gente. Eu me senti meio sem saber o que fazer parada ali de boas e todo mundo trabalhando. Estranho.

Em janeiro tá muito calor e todo mundo vive na praia e em julho tá muito frio e todo mundo vive em Campos do Jordão ou Monte Verde. Mais que tendência, trendy. Desculpa, tô muito apegada a essa piadinha.

Nos primeiros dias eu ainda vivi preocupada com as coisas do meu trabalho, pensava nas treta tudo de lá, mas depois de uns 4 ou 5 dias eu sosseguei e desliguei. Muito louco o ritmo que as coisas tomam e muito louco como a cabeça tem um tempo pra desapegar.

Fui pra casa dos meus pais, esqueci hora de dormir e de acordar, assisti Vikings no modo hard, ajudei minha mãe com o novo membro da família – um shitzu *fofo demais com apenas 3 meses pelinho fino dentinho afiado que saltita quando corre*, curti os cachorros, separei as tretas dos cachorros, reguei as plantas do jardim, corri quando deu vontade, comi tudo que me deu vontade, bebi com os meus amigos, conversei sobre a vida, fiz uma mini reforma na sala (em breve escreverei um post só disso), foi lindo.

vacations

Tão lindo o fusquinha enfiado nas planta // Café e pão na chapa, sem hora pra acordar, sem hora pra ser feliz // Descanso pós-piscina-pós-almoço // Choque de água gelada nos pés que correram 4k no asfalto quente // Os cachorros se conhecendo // Rede again.

triskinho

Olhem mais esse cachorro!

Eu nunca tinha notado o quão importante é descansar a mente. É quase que um momento de meditação prolongada por alguns dias, um reset no sistema. Necessário. Muito necessário.

Fiquei reflexiva sobre as pessoas que nunca tiram férias, ou porque precisam de dinheiro e vendem as férias – nesse caso acho que cada um sabe onde o calo aperta – ou porque a empresa não libera – nesse caso é melhor nem comentar.

A lição que levo depois dos 20 dias off é: pessoas, tirem férias. Saiam da bolha, descansem a mente, descansem o corpo, viajem para algum lugar bacana, conversem com amigos, façam o que der na telha.

Me encontre aqui também:

Facebook | Instagram 

Facebook Comments

BEDA flawless // BEDA #31

Acabou Agosto, acabou o BEDA. o/

Quando descobri o BEDA e entendi o desafio, eu duvidei que ia conseguir postar até o final. Juro. Um dos pensamentos mais recorrentes na minha mente maldita era: “ah, tranquilo… se não rolar você para de postar. O blog é seu você faz dele o que quiser”. Mas não. Postei os 31 infinitos dias de agosto.

bolt

Nesses 31 dias, tive muitos aprendizados e recompensas maravilhosas. Tão bom fazer algo que a gente gosta. Olhem só.

1. Entendi e aprendi a usar melhor o SEO 

SEO era um bicho de sete cabeças para mim. Sabia que era importante, via as coisas acontecendo (aka pessoas chegando até meu blog), mas não entendi bem o porquê. Pesquisei sobre títulos, metadados, palavras-chave, organizei as páginas internas do blog, categorias, tags, arrumei uns posts antigos e hoje acho que tô melhorzinha nisso, hehe.

2. Me aventurei mais no PhotoShop

O PhotoShop para mim é um bicho de 78 cabeças, sério. Eu tenho ~noções~ de imagem, mas mexendo em ferramentas beeeem menos complexas, mas também que entregam beeeem menos qualidade do que se feito no PhotoShop, hahaha. O BEDA me fez tirar algumas fotos para divulgar os posts no Instagram, tratei as fotos, fiz montagens para postar aqui, enfim. 🙂

3. Descobri gifs e memes incríveis

Afinal de contas, foi uma experiência incrível para alimentar minha pasta que cultivo com muito amor e carinho.

shampoo

esse gif apareceu em 2 posts então significa que significa

4. Escrevi sobre temas mais sérios, mas também escrevi sobre vários nada

Dos temas “sérios”, coloco aqui dois posts úteis: um foi sobre café moído na hora e outro foi sobre shampoos. Dos vários nada, fiz um post sobre meus dias ué.

5. O post mais visto do BEDA

Foi aquele sobre FoMO – Fear of Missing Out, com tweets antigos do Neymar. A internet é maravilhosa, mas ao mesmo tempo desgraça nossa vida, né? :~

Screen Shot 2017-08-28 at 12.26.11 AM

6. Conheci blogs incríveis

Um dos intuitos em escrever pro BEDA, foi o de conhecer blogs do jeito que eu gosto. A blogueiragem do jeitinho antigo, sabe? Antigamente era tão legal quando os blogs eram queridos diários. Descobri blogueiras incríveis, das quais me tornei leitora assídua. Indico para vocês:

7. Recebi comentários de leitores maravilhosos

Own, vocês! ❤

O BEDA foi uma experiência muito bacana, a Roberta de 15 anos ficou muito feliz em escrever “querido diário” para vocês esse mês. A Roberta de 27 prometo não abandonar esse cantinho que eu tanto gosta por tanto tempo, tá? Ela também disse que vai levar o hábito de postar frequentemente como medalha de honra ao mérito por ter participado desse projeto, eheh.

Obrigada pelo carinho de sempre!

 

Me encontre aqui também:

Facebook | Instagram 

20431177_10155557924597556_19488188861920874_n (1)

Facebook Comments

Infográficos do café // BEDA #30

Aloka do café chegou de novo! o/

Gosto demais da bebida, compro grãos especiais (me recuso a falar “gourmet” pois ô palavra viralizada uó), moo (como fala moer na primeira pessoa do singular no presente do indicativo?) a quantidade de grãos que vou consumir na hora, preparo minha dose pela manhã e VRAU! Pronta pra viver!

Tenho uma pasta no Pinterest só com referências sobre café. Quem quiser dar uma olhada, é só clicar aqui.

info1 info2 info3

Fiquei dando uma olhada nesses infográficos e me dei conta de que diminuí o consumo da cafeína naturalmente agora nas férias. O fato de não trabalhar me dá a sensação (meio que inconsciente) de que não preciso estar sempre alerta e posso curtir a vida com mais calma.

Isso poderia acontecer de segunda à sexta, durante 11 meses do ano, né?

Sonho meu.

 

Acompanhe o blog nas redes sociais:

Facebook | Instagram 

20431177_10155557924597556_19488188861920874_n (1)

 

Facebook Comments

Egotrip // BEDA #29

Em Julho fui a um encontro de profissionais de conteúdo publicitário. Foi bacana, eram pessoas que trabalham na área, interessadas em ouvir palestras de pessoas que também trabalham na área. Ok.

As palestras começaram com duas mulheres, depois veio um cara, depois outro cara, ok.

Num dado momento do dia, o apresentador do evento anunciou o cara da palestra X, disse que se falaram pela manhã e aquela seria uma das melhores palestras da vida dele. Ok.

Entra o cara. Expectativa da plateia lá em cima. O cara diz que mudou completamente o roteiro da palestra dele naquela manhã porque resolveu ~ouvir a sua intuição~. Estava tudo pronto sobre outro tema, mas ele desistiu, achou melhor seguir por outro caminho.

Começou contando um case de sucesso que a agência em que ele é diretor de alguma coisa fez, contou que ganhou vários leões de Cannes, que ganhou alguns prêmios pelo Brasil, que levou uma unidade de uma agência foda de São Paulo para o Rio Grande do Sul, que ganhou muito dinheiro nesse tempo e que tem todas as justificativas plausíveis para ninguém mais abrir agências de publicidade. Por fim, contou que o grande tesão da vida dele está no negócio recente que abriu com o seu irmão, porque viu propósito, viu que o ramo alimentício hipster (ces tem alguma dúvida de que se trata de hamburgueria?) dá mais dinheiro que qualquer coisa, afinal de contas o irmão tinha vontade de trabalhar e ele tinha grana para bancar o negócio. Fim.

Como pode esse mundão publicitário de meldels faltar tanto divã pro povo despejar essas egotrip?

egotrip

 

Me encontre aqui também:

Facebook | Instagram 

20431177_10155557924597556_19488188861920874_n (1)

 

 

 

Facebook Comments

Voltar a correr is a big deal // BEDA #28

Quem me acompanha há um tempo sabe da minha história de emagrecimento, está tudo aqui no histórico desse bloguinho e nas minhas redes sociais.

Mas, então, eu engordei nos últimos tempos.

Mais precisamente, de um ano pra cá a coisa desandou e eu engordei bem uns 10kg. Dez fucking quilos.

Os motivos são diversos: muito tempo trabalhando sentada na frente de um computador, alimentação errada, hambúrguer com a galera um dia no almoço, sobremesinha depois, deu fome à tarde desço na padaria e compro pão de queijo quentinho cheirosinho, chego à noite em casa querendo comer as paredes e claro, somado a tudo isso, o tempo para me exercitar é quase inexistente e meus treinos foram ficando de lado.

Não existe mágica.

Temos plena consciência de que não fiz por onde e cá estamos eu e minhas roupas apertadas pagando por isso.

joey

Às vezes me pego rodando o meu feed do instagram e relembrando os velhos tempos de treinos regulares e alimentação correta. Imagina, eu corria 8k de final de semana na boa – e amava. Cheguei a fazer uma prova de 10km no meu auge. Eu era uma atleta amadora.

Tenho duas justificativas para ter negligenciado os cuidados com o meu corpo: tempo curto e depressão.

A gente fica adulto e o relógio encurta. Moro longe do trabalho e perco algumas horas diárias no trânsito, isso me deixa bem insatisfeita e com vontade de me mudar para algum lugar mais perto para ter mais qualidade de vida.

A depressão trato há um ano e meio mais ou menos. Me deu uma brochada geral, sabe? Mas estamos bem, gente. Estamos tratando para que tudo se equilibre good vibes. ✨

Os fucking quilos me incomodam? Claro que me incomodam. Mas, atualmente prezo por uma mente sã e um corpo com gordurinhas a mais do que o contrário.

Quando descobri a depressão, estava com uns 10 ou 12kg a menos, todo mundo me elogiando dizendo que estava “magrinha”. De que adiantava estar magrinha com a cabeça desgraçada?

unhappy

Agora que estou de férias, pretendo retomar os treinos e voltar o hábito de me exercitar diariamente. Assim, na boa, aos poucos, sem pressão. Já voltei a caminhar 30 minutos, fiz isso duas vezes. Os próximos passos são intercalar caminhada com corrida e depois seguir correndo direto. Assim que comecei a correr, assim que vou voltar a correr.


Aguardem os próximos capítulos. 😉

 

Acompanhe o blog nas redes sociais:

Facebook | Instagram

20431177_10155557924597556_19488188861920874_n (1)

Facebook Comments

Plantas na sala // BEDA #27

Tô ficando velha e virando a véia das plantas. Minha meta aos 27 é cultivar um hobby bacana desde já para seguir com ele na velhice.

ALOKA.

Aloka das plantas sim também, hehe.

Tenho poucas plantas em casa ainda e elas são basicamente ervas aromáticas pra gente botar nas comida que cozinha e dar aquele toque de tômperro do chef. Tenho orégano, manjericão, tomilho, hortelã e cebolinha.

Além dessas, também tenho as que enfeitam a casa, tipo orquídea. Aqui também trabalhamos com as falsiany, tipo as plantas artificiais que comprei há um tempo atrás pra dar alegria pro lar sem demandar esforços. Tenho mosquitinhos, mini rosas brancas, girassol (peguei de uma festa) e gérberas artificiais.

Minha orquídea está exuberante and plena com botões fartos quase abrindo. Ah! Tenho também um cactinho porque né… todo mundo que quer ser aloka das planta começa cuidando de um cacto pra ver se dá tudo certo. 🙂

crio cenas mentais, diálogos inexistentes e cactos • 🌵💭

A post shared by Roberta Luglio (@robertaluglio) on

A orquídea quando ganhei. Essas flores secaram, ela passou um tempão só nos gravetinhos e agora tá prestes a dar as caras pro mundo novamente. 

Agora que estou de férias (#gloriadelsdoproletariado), to afim de colocar umas coisas em ordem aqui casa. Pensei em colocar prateleiras no canto da sala e encher de plantas e objetos de decoração. Gosto muito das que crescem e caem, sabe? Esse é o conceito. Olhem as referências que tenho.

Prateleiras retas com coisas + plantas:

plantas_montagem

Prateleiras de canto com coisas + plantas:

plantas_mont2

Aqui em casa penso em colocar prateleiras no canto da parede, em L. Depois que fizer o meu “canto verde” na sala, posto aqui para vocês verem como ficou. 😉

 

Me encontre aqui também:

Facebook | Instagram 

Dia 27 plmdds acaba BEDA!

20431177_10155557924597556_19488188861920874_n (1)

Facebook Comments